A verdadeira vida é espiritual, visto que todos são espíritos, embora encarnados, enquanto que a matéria é ilusória, passageira, de duração relativamente efêmera e de valor secundário. Luiz de Souza

Após a morte física – Por Luiz de Souza

O espírito, no plano astral, não sente a separação, porque, para ele, ela não existe. Lá, dispõe da clarividência que lhe possibilita, quando quiser, ver o que se passa em qualquer ponto do planeta, e possui outros recursos, como, por exemplo, o da vontade.
Clique para ouvir a limpeza psíquica

Não há, assim, motivos para preocupação quanto àqueles que partem para os seus mundos, porque assim como aqui existem uniões que equilibram a vida de relação, também no Espaço Superior o espírito se associa aos demais com quem vai conviver, numa perfeita comunhão de ideias e de entendimento.

Quem é transladado, normalmente, para o plano espiritual, é recebido, naquele lado, pelos membros numerosos da família astral, que o acolhem com simpatia e lhe propiciam tudo aquilo de que precisa, independentemente dos pedidos dos que ficaram na Terra.

A organização universal é modelar, e os dirigentes astrais cuidam de suas funções com muito maior rigor e eficiência, do que os que aqui governam.

Após a morte física
Por Luiz de Souza

Colaboração: Rute Helena Macário

Escolas Rurais - Por Eng. Civil Luiz de Souza

Uma das mais fecundas e promissoras iniciativas postas em prática pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro foi a de construir, no território fluminense, uma escola rural em cada um dos seus cinquenta municípios.

Com isto, nada menos do que umas oito mil crianças, das zonas rurais, de cada vez, vão aprender, em turmas que se sucedem, a par das letras e dos números, pratica e teoricamente, as normas elementares dos trabalhos agrícolas.

Como o nome indica, estão, essas escolas, sendo construídas no campo, em áreas que se aproximam de trinta mil metros quadrados, e assim, com largueza bastante, como seve, para que todos os alunos possam se dedicar ao cultivo da terra e tirar dessa aprendizagem os conhecimentos com os quais se tornaram agricultores.

O ensino é ministrado por técnicas da Secretaria da Agricultura e preparado com objetivo de desenvolver nessa força adolescente o gosto pela produção vegetal, de tão compensadores resultados.

O discípulo assim conduzido por quem bem conhece o mister, sente-se seguro do seu esforço e vê coroado, do mais franco sucesso, o resultado dos seus primeiros ensaios.

Atributos espirituais - A Prudência e a Moderação - Por Luiz de Souza


Os atos impensados que se praticam em cada dia, demonstram até que ponto chega a irreflexão humana e o descontrole das atitudes, com o desfecho imprevisível. A falta de prudência retarda a evolução, porque o indivíduo, por leviandade ou imprevidência, comete erros e falhas que produzem débitos espirituais que terão de ser saldados no futuro.

É preciso que no fim de cada jornada terrena não se levem da Terra dívidas passivas, pois estas somente nela poderão ser resgatadas, com enorme perda de tempo.

A prudência e a moderação são expressões do mesmo sentido, que representam na vida das que as possuem, um verdadeiro tesouro, um poder de contenção contra numerosos males que a todos podem afligir.

Procurai a verdade e a achareis – Por Luiz de Souza

Que a felicidade existe é de domínio comum. Tudo depende da adaptação a ela, já que não é privilégio de ninguém.

Como um tesouro oculto, precisa ser descoberta no interior de cada um; as chaves que abrem as portas do templo da felicidade encontram-se à disposição daqueles que a quiserem; "procurai a verdade e a achareis", é uma frase atribuída a Cristo, que se ajusta ao caso; encontrar o caminho ideal é uma questão de orientação, dentro de normas aqui divulgadas. Por que não cultivar os dons espirituais, com persistência, esforço e dedicação?

Viver feliz na Terra é alcançar o máximo que se possa desejar, durante o curso experimental de aplicação dos conhecimentos obtidos com a espiritualidade.

Coube ao Racionalismo Cristão esta tarefa monumental de atrair a atenção dos estudiosos das coisas do espírito, para a conquista da felicidade, esse tesouro espiritual que constitui o objetivo principal, nas diligências humanas.

Procurai a verdade e a achareis
Por Luiz de Souza
Colaboração Rute Helena Macario
Fonte: Livro A Felicidade Existe

Riquezas que nunca se perdem - Por Luiz de Souza

Luiz de Mattos instituiu regras de conduta para a boa formação moral das pessoas. Infelizmente, numerosas são as que nada querem saber a respeito. Por isso a situação no mundo é, no presente, quase caótica, estando a exigir soma considerável de capacidade recuperadora, para que o equilíbrio se restabeleça.

A boa formação moral exige verdade, amor, desprendimento, disciplina, respeito e valor. Esses atributos precisam ser estimulados. A pessoa que demonstra boa formação moral dá provas de haver conquistado riquezas no campo espiritual e delas haver feito boa assimilação e bom uso.

Essas riquezas nunca serão perdidas, e tem o condão de valer para angariar outras cada vez mais valiosas.

Constitui preciosidade de valor inestimável o ser chegar a compreender o que representará em riqueza e sabedoria, para o seu futuro, poder adotar uma linha de conduta em que resplandeça a boa formação moral.

Riquezas que nunca se perdem
Por Luiz de Souza

Fonte:

A influência sobre alguém de forma tirana é um crime espiritual - Por Luiz de Souza

Exercer influência sobre alguém, para martirizá-lo, é um crime. Os tiranos fazem prevalecer o seu eu voluntarioso e intransigente, pouco se lhes importando a voz da razão.


A influência deve ser aplicada beneficamente, com suavidade, de modo educativo, amorosamente até, predispondo o livre arbítrio a aceitá-la, para que o indivíduo se sinta bem com a orientação que deverá satisfazer a sua própria consciência.

A influência sobre alguém de forma tirana é um crime espiritual
Por Luiz de Souza
Fonte:

A Gratidão - Por Engº Civil Luiz de Souza

A gratidão é um gesto afetuoso de demonstrar reconhecimento pelo favor ou atenção recebidos.

O sentimento de gratidão é um dos elevados valores da alma.

Uma criatura grata e reconhecida, atesta sentimentos apurados, compreensão humana; emociona‑se com a bondade alheia, tem em alta conta o sentido da solidariedade e está sempre pronta a seguir o exemplo daqueles que se fazem, espontaneamente, credores de reconhecimento.

A Constância - Por Luiz de Souza

A constância é uma virtude indispensável a qualquer realização. Ela se sobrepõe às dificuldades e é fator decisivo das vitórias. A constância marcha ao lado da convicção. Assim, quem é constante é convicto, e sabe para onde vai e o que quer.

Ao contrário do volúvel, que é um indeciso, um incoerente, podendo chegar a ser leviano, o constante é compenetrado, seguro e consequente.

É preciso haver constância nos estudos, no cumprimento dos deveres, na pontualidade, na afetividade, nas tarefas de levar por diante os bons cometimentos.

A constância é baseada no raciocínio e no critério, e surge como medida sensata e equilibrada. É pela constância que as obras de repercussão futura são mantidas e animadas. Não fosse pela constância, o Racionalismo Cristão não permaneceria, persistentemente, incutindo a luz da Verdade em espíritos renitentes uns, retardatários outros em assuntos espirituais.

A constância é tolerante e paciente, não se alterando diante da indiferença ou do descaso, por ter o seu caminho traçado e seguir por ele. Pouco importa o vozerio do mundo insensato e imprudente, se o espírito constante, apoiado em madura compreensão, não se deixar levar pelas dissonâncias do ambiente.

Obras que não se concluem, recebem o golpe da inconstância e deixam entrar em cena o enfraquecimento, a desunião, a falta de compreensão.

A vaidade - Por Luiz de Souza

A vaidade é uma das últimas falhas que abandonam o ser humano. Ela é terrivelmente enraizada no gênero humano.

Há quem ostente a simplicidade pela vaidade de ser simples. A vaidade esconde‑se, traiçoeiramente, nos recônditos da alma, e os seus tentáculos se aprofundam de forma desconhecida. Por isso nada deve ser feito ou dito que alimente esse inimigo perigoso, quando não se sabe se está inteiramente morto.

Na medida do esclarecimento, o indivíduo toma ciência do que vale, conhece‑se a si mesmo e se acanha de ser elogiado, de passar pelo que não é, de ver alguém atribuir‑lhe virtudes que talvez não possua e privilégios que lhe pareçam estar acima dos seus merecimentos.

A Higiene Mental - Por Luiz de Souza

Pouca importância se dá ao uso do pensamento, que reflete o estado mental de cada ser. Há pessoas inteiramente descuidadas no emprego de palavras, muitas das quais evocam atos que não se distinguem pela boa higiene mental.

Anedotas picantes, de mau gosto, que tendem para a falta de decoro, são festejadas em rodas ociosas ou em agrupamentos em que se procura fazer senso-de-humor.

Nesses momentos, ninguém se lembra de que palavras e pensamentos ficam registrados no éter, e que não vai ser agradável ao indivíduo constatar, mais tarde, que expressões abjetas por ele pronunciadas ficaram gravadas e presas na esteira vibratória da sua documentação astral, e, deste modo, conhecidas de seres, diante dos quais seria, pelo respeito, incapaz de as proferir.

A linguagem obscena é muito apreciada pelos espíritos do astral inferior (espíritos obsessores quedados na atmosfera da terra), e são esses os que mais se regozijam com as anedotas e narrativas de cunho animalesco. Agradar aos espíritos do astral inferior, é mantê-los em sua companhia, permanentemente, e sofrer as influências deletérias e as mazelas que eles transmitem.

É justamente pelo fato de a maioria das criaturas nada conhecer sobre questões espirituais que o mundo está assim tão cheio de males, de desventuras, de sofrimentos.

Os espíritos do astral inferior encontram campo aberto no seio da humanidade, pela ignorância do que se passa nessa baixa região astral e das influências deletérias a que todos podem estar sujeitos, desde que delas não se saibam precaver.